Journal Information
Vol. 95. Issue 2.
Pages 265-266 (01 March 2020)
Visits
...
Vol. 95. Issue 2.
Pages 265-266 (01 March 2020)
Carta – Caso clínico
Open Access
Dermatite alérgica de contato ao slime
Visits
...
Nabila Scabine Pessottia, Mariana de Figueiredo Silva Hafnera, Mellanie Starck Possab, Rosana Lazzarinia,
Corresponding author
rosana.fototerapia@gmail.com

Autor para correspondência.
a Setor de Alergias Cutâneas, Clínica de Dermatologia, Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil
b Curso de Aperfeiçoamento em Alergias Cutâneas, Clínica de Dermatologia, Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text
Bibliography
Download PDF
Statistics
Figures (3)
Show moreShow less
Full Text
Prezado Editor,

Slime é o nome coloquial de um produto visco‐elástico usado como brinquedo, que ganhou popularidade nos últimos anos entre crianças e adolescentes do mundo todo. Pode ser de fabricação caseira ou industrializada. O primeiro é obtido pela mistura de artigos de uso cosmético e doméstico, inclusive espumas de barbear, soluções de lentes de contato com ácido bórico, colas, detergentes líquidos e sabão em pó, entre outros.1

Relatamos o caso de uma menina de 9 anos, com antecedente pessoal de atopia, que apresentava dermatite eczematosa nas mãos havia 5 anos, com períodos de exacerbação relacionados à manipulação do slime. A mãe referia que a paciente teve contato com o produto comercial e, em algumas ocasiões, criou o próprio brinquedo com hidratante corporal, água boricada, cola, bicarbonato de sódio, corante de alimento azul e espuma de barbear.

Ao exame dermatológico apresentava intenso eritema nas regiões palmares, sobre o qual se notavam múltiplas vesículas de conteúdo claro associadas à descamação, fissuras e algumas áreas exulceradas (fig. 1). O tratamento foi feito com corticoterapia sistêmica 0,5 mg/kg/dia e, após 2 meses, realizou‐se teste de contato com a bateria‐padrão brasileira, somada à solução aquosa de metilisotiazolinona (0,02%) e uma parte do produto industrializado (mesmo sabendo‐se da existência de potenciais irritantes em sua composição, que poderiam levar a possíveis reações falso‐positivas) (fig. 2). A leitura após 96 horas demonstrou positividade 2+ para Kathon CG, que é uma mistura de metilisotiazolinona (MI) e metilclorotiazolinona (MCI), e também para a metilisotiazolinona (MI) isolada 2+ (fig. 3), componente presente no hidratante, na cola e na espuma de barbear usados na confecção do produto caseiro. A empresa produtora do slime industrializado informou que os conservantes usados na sua composição foram os parabenos, negativos no teste de contato.

Figura 1.

Regiões palmares mostram eritema, descamação e algumas vesículas.

(0.05MB).
Figura 2.

Aspecto do produto industrializado.

(0.03MB).
Figura 3.

Teste de contato positivo para Kathon CG (++).

(0.05MB).

O slime pode causar tanto dermatite de contato irritativa (DCIP) quanto alérgica (DAC), principalmente quando é confeccionado em casa, com a adição de diferentes produtos comerciais. Quando irritativa, componentes do tipo ácido bórico, álcoois e glicóis são os responsáveis pela agressão da barreira cutânea.2 Por outro lado, alérgenos como a metilisotiazolinona e a metilclorotiazolinona são bem reconhecidos como causadores de DAC e são usados como conservantes em produtos industrializados e cosméticos, como lenços umedecidos, hidratantes, maquiagem, laquês, produtos de limpeza, colas, entre outros.3 No caso exposto, revelou‐se a importância da detecção das substâncias nos inúmeros produtos que podem ser usados.

Pacientes atópicos são propensos ao desenvolvimento de DAC pela deficiência da barreira cutânea e pelo contato constante com possíveis alérgenos. No caso relatado, a paciente tinha eczema das mãos relacionado à atopia, cuja exacerbação ocorreu após iniciar manipulação do gel e resultou na DAC.

Neste último ano foram publicados vários relatos de DCI e DAC provocadas pelo slime, o que deve alertar pais e profissionais de saúde sobre os riscos dessa brincadeira, principalmente quando fabricado em casa.2

Anderson et al. reuniu os ingredientes de 48 receitas de géis disponíveis na internet e evidenciou os principais alérgenos. Os mais comuns foram as fragrâncias mix I e II e conservantes, como propilenoglicol e MI, esse último o alérgeno positivo no caso da nossa paciente.4

Clinicamente, as causas dos eczemas das mãos são indistinguíveis. Como o slime pode causar ambas as formas de dermatite de contato, o teste de contato é essencial, não só para diagnóstico diferencial como para detectar o alérgeno causador. Identificá‐lo é importante, uma vez que as substâncias presentes no slime fazem parte da composição dos produtos de uso cotidiano dos pacientes, como shampoos, sabonetes e cremes. Desse modo, caso não haja um diagnóstico preciso, a dermatite pode evoluir com recidivas pela manutenção do contato com o alérgeno, aumentar a morbidade e dificultar o controle da doença.

Suporte financeiro

Nenhum.

Contribuição dos autores

Nabila Scabine Pessotti: Elaboração e redação do manuscrito; revisão crítica da literatura.

Mariana de Figueiredo Silva Hafner: Aprovação da versão final do manuscrito; elaboração e redação do manuscrito; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados.

Mellanie Starck Possa: Aprovação da versão final do manuscrito; elaboração e redação do manuscrito; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados.

Rosana Lazzarini: Aprovação da versão final do manuscrito; concepção e planejamento do estudo; participação efetiva na orientação da pesquisa; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados.

Conflitos de interesse

Nenhum.

Referências
[1]
C. Asher, R. Dalan, M.I. Aly.
Home‐made Slime”: a novel cause for pediatric burns’ referrals; do we need to raise awareness?.
[2]
E. Heller, A.S. Murthy, M.V. Jen.
A slime of the times: Two cases of acute irritant contact dermatitis from homemade Slime.
Pediatr Dermatol., 36 (2019), pp. 139-141
[3]
C.D. Piazza, S.C.P. Cestari.
Contact dermatitis from Do‐It‐Yourself Slime.
An Bras Dermatol., 93 (2018), pp. 944
[4]
L.E. Anderson, J.R. Treat, B.A. Brod, J. Yu.
Slime” contact dermatitis: Case report and review of relevant allergens.
Pediatr Dermatol., 36 (2019), pp. 335-337

Como citar este artigo: Pessotti NS, Hafner MFS, Possa MS, Lazzarini R. Allergic contact dermatitis to slime. An Bras Dermatol. 2020;95:265–266.

Trabalho realizado no Setor de Alergias Cutâneas, Clínica de Dermatologia, Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Copyright © 2020. Sociedade Brasileira de Dermatologia
Idiomas
Anais Brasileiros de Dermatologia

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.