Journal Information
Vol. 99. Issue 4.
Pages 637-639 (1 July 2024)
Visits
1451
Vol. 99. Issue 4.
Pages 637-639 (1 July 2024)
Cartas ‐ Terapia
Full text access
Fotossensibilidade induzida por mesalazina – Relato de caso e revisão da literatura
Visits
1451
Svetlana Popadica,b,
Corresponding author
scpopadic@gmail.com

Autor para correspondencia.
, Igor Kapetanovicb, Aleksandra Sokic‐Milutinovicc,d
a Departamento de Dermatovenereologia, Faculdade de Medicina, University of Belgrade, Belgrado, Sérvia
b Clínica de Dermatovenereologia, University Clinical Center of Serbia, Belgrado, Sérvia
c Departamento de Gastroenterologia e Hepatologia, Faculdade de Medicina, University of Belgrade, Belgrado, Sérvia
d Clínica para Gastroenterologia e Hepatologia, Clinical Center of Serbia, Belgrado, Sérvia
This item has received
Article information
Full Text
Bibliography
Download PDF
Statistics
Figures (2)
Tables (1)
Tabela 1. Casos de fotossensibilidade induzida por mesalazina publicados na literatura
Full Text
Prezado Editor,

Descrevemos um caso de fotossensibilidade induzida por mesalazina em paciente com retocolite ulcerativa (RCU). Que seja do nosso conhecimento, este é o quarto caso de fotossensibilidade induzida por mesalazina relatado até agora.1–3

Em abril de 2018, um homem de 26 anos apresentou eritema difuso e pápulas eritematosas nas áreas expostas ao sol (figs. 1 e 2). As lesões cutâneas apareceram durante os primeiros dias ensolarados da primavera (índice UV médio de 5 – moderado). Ele não apresentava história anterior de sensibilidade ao sol. Em relação à história pessoal, cinco semanas antes da admissão no serviço de dermatologia, havia iniciado tratamento para RCU. O tratamento incluía administração oral e retal de mesalazina juntamente com prednisolona oral e esomeprazol.

Figura 1.

(a) Eritema e pápulas eritematosas na região bucinadora, pavilhão auricular e região cervical. (b) Face, pavilhão auricular e pescoc¸o sem lesões cutâneas. (c) Eritema e pápulas eritematosas no couro cabeludo, face, pavilhão auricular e região cervical.

(0.46MB).
Figura 2.

(a) Eritema e pápulas eritematosas na face dorsal das mãos. (b) Face dorsal das mãos sem lesões cutâneas. (c) Eritema na face dorsal das mãos.

(0.23MB).

Na admissão, as análises laboratoriais de rotina de sangue e urina estavam dentro dos limites normais. A análise imunológica (anticorpos IgG, IgM anticardiolipina, anticorpos IgG antimitocondriais, anticorpos IgG antinucleares, anticorpos IgG antimúsculo liso, anticorpos IgG antifração microssomal de fígado e rim tipo 1, anticorpos IgG antiparietais, triagem de anticorpos antinucleares extraíveis (ENA), anticorpos IgG anti‐dsDNA, C3 e C4) resultou negativa. Antígeno/anticorpos HIV, HBsAg e anti‐HCV foram todos negativos. O teste de VDRL foi negativo. O teste de banda lúpica em áreas exposta e protegida do sol foi negativo.

Foi sugerido evitar exposição ao sol e usar protetor solar, e foram iniciadas preparações tópicas de corticosteroides com tratamento concomitante da RCU (mesalazina 3g/dia, prednisolona 20mg/dia e esomeprazol 20mg BID) por quatro dias. O tratamento sugerido não teve resultado, e o eritema persistiu. Em virtude da suspeita de que a sensibilidade solar havia sido induzida pela mesalazina, o tratamento com mesalazina e corticosteroide tópico foi descontinuado, e 20mg de prednisolona juntamente com esomeprazol e proteção solar foram prescritos. Nos quatro dias seguintes, o paciente passou até 1 hora/dia ao sol e, apesar disso, houve regressão completa das lesões cutâneas (figs. 1 e 2).

Estávamos interessados em descobrir se a fotossensibilidade reapareceria na ausência da mesalazina, então sugerimos exposição solar ilimitada sem proteção solar pelos seis dias seguintes (10 dias no total sem mesalazina). Durante esses dias não houve sinais de fotossensibilidade, mas a CU piorou e nova dose de mesalazina foi prescrita. O paciente tomou a primeira dose de reintrodução da mesalazina e, 12 a 15 horas depois, passou 30 minutos ao ar livre durante a manhã ensolarada. Durante esses 30 minutos, o eritema reapareceu nas áreas expostas ao sol. Foi estabelecido o diagnóstico de fotossensibilidade induzida por mesalazina (figs. 1 e 2). O gastroenterologista substituiu a mesalazina por azatioprina e prednisolona, que foram reduzidas gradualmente e interrompidas. A RCU está em remissão desde outubro de 2018 e, em abril de 2023, o paciente não apresentava manifestações de sensibilidade ao sol.

A mesalazina é o tratamento de primeira linha preferido e seguro, com eficácia comprovada em formas leves a moderadas de RCU,4 com absorção sistêmica leve, e mecanismo de liberação retardada.5 De acordo com a literatura, a mesalazina pode estar associada a erupções cutâneas e prurido.4,5

Muitos medicamentos foram implicados em reações de fotossensibilidade, mas a mesalazina não é considerada um deles.6,7 Apenas um caso de provável dermatite fotoalérgica induzida por esomeprazol foi relatado até o momento.8 As reações adversas cutâneas a medicamentos em áreas expostas ao sol podem ser do tipo fototóxica ou fotoalérgica.6 A fototoxicidade aparece rapidamente após a exposição solar em virtude da ativação pela luz do agente fotossensibilizante, enquanto na fotoalergia a lesão cutânea aparece após dois a três dias pela ativação de resposta imune mediada por células.7 O esomeprazol não estava no protocolo de tratamento em outros casos relatados com fotossensibilidade induzida por mesalazina.1–3 No presente caso, a fotossensibilidade não foi associada à ingestão de esomeprazol. A prova disso é que ele não apresentou lesões cutâneas durante o tratamento com esomeprazol nos períodos de suspensão temporária ou definitiva da mesalazina. O reaparecimento imediato do eritema do presente caso após nova exposição à mesalazina indica o tipo fototóxico de fotossensibilidade.

Dentre todos os casos publicados (tabela 1), o presente caso é o único com descontinuação do tratamento com mesalazina e teste de reintrodução do medicamento. De acordo com a escala de probabilidade de reação adversa a medicamento (RAM) de Naranjo,9 a força da associação entre a mesalazina e o desenvolvimento de fotossensibilidade (ao sol) presente caso foi “definitiva” (escore total 9).

Tabela 1.

Casos de fotossensibilidade induzida por mesalazina publicados na literatura

  Idade do paciente na apresentação  Início dos sintomas após introdução da mesalazina  Estação do ano no momento do início das lesões cutâneas  Resolução dos sintomas após descontinuação da mesalazina  Reexposição à mesalazina 
Paciente do presente caso  26  5 semanas  Primavera  4 dias  Sim 
Al‐Niaimi et al.  56  2‐3 meses  Verão  10 dias  Não 
Cozzani et al.  46  6 meses  Verão  6 meses  Não 
Horiuchi et al.  48  2 semanas  Primavera  NA  NA 

NA, não aplicável (mesalazina não descontinuada).

Nos artigos publicados, o início da fotossensibilidade após a introdução da mesalazina variou de duas semanas a seis meses (tabela 1). No presente caso, o eritema desapareceu completamente quatro dias após a retirada da mesalazina, de forma semelhante ao relatado por Al‐Niaimi et al., com resolução relatada em 10 dias.1 Entretanto, Cozzani et al. relataram resolução completa seis meses após a descontinuação da mesalazina.2 Curiosamente, Horiuchi et al. nunca descontinuaram a mesalazina, e supostamente os sintomas foram controlados pela proteção solar.

Acreditamos que os dermatologistas devem estar atentos à fotossensibilidade como possível efeito colateral da mesalazina, a fim de evitar avaliações clínicas desnecessárias.

Suporte financeiro

Nenhum.

Contribuição dos autores

Svetlana Popadic: Concepção e planejamento do estudo; obtenção de dados ou análise e interpretação dos dados; análise estatística; elaboração e redação do manuscrito ou revisão crítica de conteúdo intelectual importante; obtenção, análise e interpretação dos dados; participação efetiva na orientação da pesquisa; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica da literatura; aprovação da versão final do manuscrito.

Igor Kapetanovic: Elaboração e redação do manuscrito ou revisão crítica de conteúdo intelectual importante; obtenção, análise e interpretação dos dados; aprovação da versão final do manuscrito.

Aleksandra Sokic‐Milutinovic: Participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica da literatura; aprovação da versão final do manuscrito.

Conflito de interesses

Nenhum.

Agradecimento

Este estudo foi parcialmente financiado pelo Fund of The Serbian Ministry of Education and Science (Subsídio n° 451‐03‐47/2023‐01/200110).

Referências
[1]
Y. Horiuchi, S. Shimakura.
Mesalazine and photosensitivity.
Am J Gastroenterol., 94 (1999), pp. 3386-3387
[2]
E. Cozzani, F. Pappalardo, R. Gallo, A. Parodi.
Photosensitivity induced by mesalazine: report of a case.
Am J Gastroenterol., 109 (2014), pp. 923-924
[3]
F. Al-Niaimi, C. Lyon.
Mesalazine‐induced photosensitivity.
Eur J Dermatol., 21 (2011), pp. 105-106
[4]
U. Klotz.
The pharmacological profile and clinical use of mesalazine (5‐aminosalicylic acid).
Arzneimittelforschung., 62 (2012), pp. 53-58
[5]
B. Moum.
Which are the 5‐ASA compound side effects and how is it possible to avoid them?.
Inflamm Bowel Dis., 14 (2008), pp. S212-S213
[6]
M. Glatz, G.F. Hofbauer.
Phototoxic and photoallergic cutaneous drug reactions.
Chem Immunol Allergy., 97 (2012), pp. 167-179
[7]
A.F. Monteiro, M. Rato, C. Martins.
Drug‐induced photosensitivity: photoallergic and phototoxic reactions.
Clin Dermatol., 34 (2016), pp. 571-581
[8]
A. Shukla, A. Mahapatra, N. Gogtay, U. Khopkar.
Esomeprazole‐induced photoallergic dermatitis.
J Postgrad Med., 56 (2010), pp. 229-231
[9]
C.A. Naranjo, U. Busto, E.M. Sellers, P. Sandor, I. Ruiz, E.A. Roberts, et al.
A method for estimating the probability of adverse drug reactions.
Clin Pharmacol Ther., 30 (1981), pp. 239-245

Como citar este artigo: Popadic S, Kapetanovic I, Sokic‐Milutinovic A. Mesalamine induced photosensitivity – a case report and literature review. An Bras Dermatol. 2024;99:645–7.

Trabalho realizado no Departamento de Dermatovenereologia, Faculdade de Medicina, University of Belgrade; Clínica de Dermatovenereologia, University Clinical Center of Serbia, Belgrado, Sérvia

Idiomas
Anais Brasileiros de Dermatologia
Article options
Tools
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.