Journal Information
Vol. 95. Issue 6.
Pages 748-750 (01 November 2020)
Visits
...
Vol. 95. Issue 6.
Pages 748-750 (01 November 2020)
Imagens em Dermatologia
Open Access
Massa exofítica semelhante a couve‐flor na pele: melanoma polipoide – características clínicas, dermatoscópicas e histopatológicas
Visits
...
Ambra Di Altobrando
Corresponding author
ambra.dialtobrando@studio.unibo.it

Autor para correspondência.
, Annalisa Patrizi, Emi Dika, Francesco Savoia
Divisão de Dermatologia, Departamento de Medicina Experimental, Diagnóstica e Especializada, University of Bologna, Bolonha, Itália
Article information
Abstract
Full Text
Bibliography
Download PDF
Statistics
Figures (3)
Show moreShow less
Resumo

O melanoma polipoide é uma variante do melanoma nodular cujo prognóstico depende de sua espessura e da presença de ulceração no momento do diagnóstico. Os autores relatam dois casos de melanoma polipoide que se apresentam como massas polipoides largas e semelhantes a uma couve‐flor. A dermatoscopia caracterizou‐se por um padrão multicolorido, vasos pleomórficos atípicos e pelo sinal da fibra. As características clínicas e dermatoscópicas podem ajudar a diagnosticar o melanoma polipoide e a excluir outros possíveis diagnósticos diferenciais. No entanto, a histologia continua obrigatória para confirmar a suspeita diagnóstica.

Palavras‐chave:
Dermoscopia
Histologia
Melanoma
Full Text
Relato dos casosCaso 1

Paciente do sexo feminino, 59 anos, encaminhada ao nosso serviço por massa exofítica localizada na perna esquerda havia seis meses. Ao exame clínico, a lesão media 1,8×4,5cm em suas maiores dimensões, apresentava áreas necrótico‐hemorrágicas e fibrinosas e deformava a pele eritematosa subjacente (fig. 1A). A dermatoscopia revelou um padrão multicolorido com fundo amarelo difuso e áreas irregularmente distribuídas em vermelho, marrom e cinza. A observação de vasos pleomórficos atípicos foi difícil devido às crostas sero‐hemáticas e filamentos de gaze que estavam presos na superfície irregular da lesão (fig. 2A e B). A histopatologia evidenciou um melanoma polipoide (MP) agressivo com espessura de Breslow de 12mm, ulceração, 3‐6 mitoses/mm2, envolvimento linfovascular, traves fibroepiteliais que subdividiam o tumor em lóbulos e vasos pleomórficos (fig. 3A). Embora o envolvimento nodal tenha sido positivo, nenhuma metástase a distância foi encontrada. Iniciou‐se tratamento anti‐PD‐1. Durante o primeiro ano de acompanhamento, não se observou evidência instrumental de recorrência.

Figura 1.

(A), Massa nodular séssil, 1,8×4,5cm em sua maior dimensão, circundada por halo eritematoso na região anterior da perna. Podem ser observadas áreas necróticas e fibrinosas e filamentos de gaze incorporados à superfície tumoral. (B), Nódulo séssil de base ampla (1,5×3,8cm em sua maior dimensão) na região anterior da perna, deformando a pele subjacente. Áreas necróticas e fibrinosas e sangramento são evidentes.

(0.09MB).
Figura 2.

(A), Dermatoscopia evidencia um padrão multicolorido, com fundo amarelo difuso (*) e algumas áreas irregularmente distribuídas em vermelho, marrom e cinza (**). “Sinal da fibra”: a observação do componente vascular pleomórfico atípico é dificultada por filamentos de gaze presos na superfície irregular do tumor. (B,) Vasos atípicos, pleomórficos e principalmente dilatados (setas). (C), A dermatoscopia revela um padrão multicolorido, com fundo vermelho e branco difuso e algumas áreas amarelas, marrons e acinzentadas distribuídas irregularmente (triângulo). (D), Vasos atípicos sobre fundo vermelho e branco são claramente visíveis.

(0.18MB).
Figura 3.

(A), Histopatologia evidencia traves fibroepiteliais que subdividem o tumor em lóbulos. A distribuição do pigmento é irregular, tanto em quantidade quanto em profundidade. Vasos pleomórficos e ulceração são visíveis ao longo das lesões. (B), Os achados histopatológicos incluem ulceração, vasos pleomórficos atípicos com depósitos esparsos de pigmento e ausência de cones epidérmicos. O infiltrado inflamatório é escasso.

(0.21MB).
Caso 2

Uma mulher italiana de 82 anos foi encaminhada ao nosso serviço devido à história de massa nodular na perna esquerda havia seis meses. Ao exame físico, a lesão era séssil, de grandes dimensões (1,5×3,8cm), com superfície irregular, crostosa e cruenta. A lesão deformava a pele subjacente e era circundada por halo eritematoso (fig. 1B). A dermatoscopia revelou vasos pleomórficos e um padrão multicolorido, com fundo vermelho e branco difuso e algumas áreas amarelas, marrons e cinzentas irregularmente espalhadas (fig. 2C e D). A histopatologia mostrou espessura de Breslow de 10mm, ulceração, >11 mitoses/mm2, envolvimento linfovascular, vasos pleomórficos atípicos com deposições dispersas de pigmento, ausência de cones epidérmicos e escasso infiltrado inflamatório (fig. 3B). A paciente, que foi estadiada como melanoma IIIC devido ao envolvimento nodal positivo e metástases a distância negativas, foi encaminhada para outro hospital, mais próximo de sua residência.

Em ambos os casos, a análise molecular mostrou mutação BRAF negativa (pirossequenciamento do éxon 15) e mutação NRAS positiva no éxon 3 (pirossequenciamento dos éxons 2 e 3).

Discussão

O MP é caracterizado por uma superfície irregular e perfil semelhante a uma couve‐flor.1–3 Embora o MP tipicamente afete as mucosas, quando envolve a pele, geralmente afeta o dorso.2,3 Histologicamente, o MP mostra atipia citológica acentuada, pleomorfismo nuclear e mistoses abundantes.3,4 A fase inicial de crescimento radial‐horizontal evolui rapidamente para uma fase nodular‐vertical, com risco importante de embolia vascular.2,3 Até o momento, existem poucos relatos do uso da dermatoscopia no MP. Hikawa et al. relataram um caso de MP sobreposto a um melanoma extensivo superficial com padrão irregular de multicomponentes, caracterizado pela presença de rede atípica, glóbulos e áreas amorfas pigmentadas.1 Cabrera et al. descreveram um caso de MP com véu branco‐azulado na parte exofítica da lesão e grandes ninhos cinza‐azulados e áreas esbranquiçadas na base do pedículo.5 De acordo com Hikawa et al., uma análise dermatoscópica clara do tumor pode ser impedida pela presença de crostas e fibras de roupas, gazes ou cabelos do próprio paciente, o chamado “sinal da fibra”, que é uma indicação dermatoscópica indireta de ulceração.6

Tanto quanto é do conhecimento dos autores, este é o primeiro relato a encontrar não apenas achados clínicos macroscópicos similares e a mesma localização incomum, mas também características dermatoscópicas semelhantes: em ambos os casos, o tumor se apresentou com uma crosta fibrinosa irregular similar a uma couve‐flor e algumas áreas cruentas, marcou a pele eritematosa subjacente, como no caso relatado por Pérez‐Wilson et al.3 O achado dermatoscópico mais relevante dos presentes casos de MP foram os vasos pleomórficos atípicos e o padrão multicolorido: a cor amarela relacionou‐se principalmente à presença de fibrina; as áreas marron, preta e vermelha estavam associadas à superfície “verdadeira” do tumor; as estrias esbranquiçadas eram causadas pelo componente fibroso do tumor.

A dermatoscopia pode ser útil para o diagnóstico diferencial de MP com outras neoplasias malignas, mesmo que seja desafiador. O carcinoma espinocelular mal diferenciado mostra uma predominância da cor vermelha, erosão/ulceração e estruturas brancas residuais.7 O carcinoma espinocelular pigmentado é caracterizado por pigmentação cinza‐azulada homogênea, ulceração, estrias radiais e glóbulos.8 As principais características dermatoscópicas do carcinoma de células de Merkel incluem áreas vermelhas leitosas e áreas áreas brancas brilhantes pleomórficas dentro do corpo do tumor, assim como vasos lineares, irregulares e arboriformes.9

A histopatologia continua obrigatória para o diagnóstico definitivo de MP. A aparência irregular de couve‐flor, bem como as estrias esbranquiçadas dos presentes dois casos de MP, foi decorrente das traves fibroepiteliais que subdividiam os tumores em lóbulos, enquanto o padrão multicolorido representava a contrapartida dermatoscópica da distribuição irregular do pigmento na histopatologia.

Ambos os casos apresentaram mutação NRAS; esse achado está de acordo com a literatura, uma vez que as mutações do NRAS foram associadas ao melanoma nodular e localização nos membros.10

Suporte financeiro

Nenhum.

Contribuição dos autores

Ambra Di Altobrando: Aprovação da versão final do manuscrito; concepção e planejamento do estudo; elaboração e redação do manuscrito; obtenção, análise e interpretação dos dados; participação efetiva na orientação da pesquisa; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica da literatura.

Annalisa Patrizi: Aprovação da versão final do manuscrito; participação efetiva na orientação da pesquisa.

Emi Dika: Revisão crítica do manuscrito.

Francesco Savoia: Aprovação da versão final do manuscrito; concepção e planejamento do estudo; elaboração e redação do manuscrito; obtenção, análise e interpretação dos dados; participação efetiva na orientação da pesquisa; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Conflitos de interesse

Nenhum.

Agradecimentos

Ao Dr. Cosimo Misciali e à Dra. Carlotta Baraldi pelas imagens da histopatologia.

Referências
[1]
R.S. Hikawa, E.S. Kanehisa, M.M. Enokihara, M.Y. Enokihara, S.H. Hirata.
Polypoid melanoma and superficial spreading melanoma different subtypes in the same lesion.
An Bras Dermatol., 89 (2014), pp. 666-668
[2]
M. Dini, F. Quercioli, V. Caldarella, M. Gaetano, A. Franchi, T. Agostini.
Head and neck polypoid melanoma.
J Craniofac Surg., 23 (2012), pp. e23-e25
[3]
J. Pérez-Wilson, J. Arellano, A. Castro.
Polypoid melanoma: an aggressive variant of nodular melanoma.
Cutis., 101 (2018), pp. E6-E7
[4]
G. Fabrizi, G. Massi.
Polypoid Spitz naevus: the benign counterpart of polypoid malignant melanoma.
Br J Dermatol., 142 (2000), pp. 128-132
[5]
R. Cabrera, F. Recule.
Unusual clinical presentations of malignant melanoma: a review of clinical and histologic features with special emphasis on dermatoscopic findings.
Am J Clin Dermatol., 19 (2018), pp. 15-23
[6]
B.N. Akay, S. Saral, A.O. Heper, C. Erdem, C. Rosendahl.
Basosquamous carcinoma: Dermoscopic clues to diagnosis.
J Dermatol., 44 (2017), pp. 127-134
[7]
M. Manfredini, C. Longo, B. Ferrari, S. Piana, E. Benati, A. Casari, et al.
Dermoscopic and reflectance confocal microscopy features of cutaneous squamous cell carcinoma.
J Eur Acad Dermatol Venereol., 31 (2017), pp. 1828-1833
[8]
V. de Giorgi, B. Alfaioli, F. Papi, A. Janowska, M. Grazzini, T. Lotti, et al.
Dermoscopy in pigmented squamous cell carcinoma.
J Cutan Med Surg., 13 (2009), pp. 326-329
[9]
A. Sadeghinia, A. Ghanadan, A. Ehsani, P. Noormohammadpour, M.S. Ansari.
Can dermoscopy open a new way to diagnosing Merkel cell carcinoma?.
Int J Dermatol., 58 (2019), pp. e68-e71
[10]
L.D. Gutiérrez-Castañeda, J.A. Nova, J.D. Tovar-Parra.
Frequency of mutations in BRAF NRAS, and KIT in different populations and histological subtypes of melanoma: a systematic review.
Melanoma Res., 30 (2020), pp. 62-70

Como citar este artigo: Di Altobrando A, Patrizi A, Dika E, Savoia F. Cauliflower‐like exophytic mass on the skin: polypoid melanoma. Clinical, dermoscopic, and histologic features. An Bras Dermatol. 2020;95:748–50.

Trabalho realizado na Universidade de Bolonha, Bolonha, Itália.

Idiomas
Anais Brasileiros de Dermatologia

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.